27/09/2010

Londrina forever!

Por falar em amigos, na semana passada estive em Londrina. Fiz questão de chegar exatamente no dia 23 de setembro para o "evento" - o aniversário do meu amigo Joelito Queiroga - figura amável. Afinal o que são 532 kms de distância quando a ponte para o coração sempre se manteve aberta e com o tráfego livre?

Em Londrina, além do Joelito tenho outros amigos, os quais considero muito e os levo no peito como, por exemplo, o Clã comandado pela figura exemplar do Clerinho Pellegrini, pai do Marquinhos, e este com a sua tropa de filhos: Hermano, Sofia, Giulia, Marina e Vicente, ufa!

Tenho um amor incondicional por essa cidade. Gosto dos aromas, dos tons de verdes da vegetação e da variedade de passarinhos que riscam o céu, dos lagos, da orquestra de cigarras cantando nas árvores do Zerão, das suas casas de madeiras que ainda resitem à gula imobiliária. Do jeito como o povo celebra a vida.

Claro que têm coisas que me desagradam, mas essas coisas são as mesmas que desagradam a maioria dos brasileiros em todas as localidades deste país. Uma delas, é o descaso com a coisa pública. Melhor parar. Este texto não destina-se a urubus!

Como disse, o aniversário do Joelito foi um evento. Pensei que estava vivendo as festas de final de ano. Eu fui o representante solitário da delegação de Osasco. São Caetano do Sul enviou a Ione e o Toninho. Apucarana mandou o Zázá e a Cida, a Celeste e o Edinho comandaram os londrinenses da família da Shes. O evento resoou também em Imperatriz, no Maranhão, onde uma mãe e um pai deram vivas ao filho amado pra lá de quarentão.

fotos: Celeste Casarin

Time escalado: Eu, Elvio, Toninho, Edinho,
,Joelito, Shes, Cida e Zázá

Substituição: Sai Zázá e entra Ione


Joelito, o querido, dos amigos, da esposa, dos filhos, dos cãezinhos. Joelito, a figura, no evento que perdura vivo na memória desse escriba de ninharias. Joelito tem até um escudeiro: o sogro Élvio. Os dois são unha e carne. Os dois. Os dois...

Bem, gente, o resto é chover no molhado e choveu. Choveu e eu chovi também. Vou explicar. Além do Joelito, o Clerinho no alto dos seus 82 anos me emocionou. Ele mora numa casa antiga da rua Pará, no centro de Londrina. É um homem apaixonado pela boa música, pelos bons versos, um profundo proseador das coisas simples. Recebeu-me de braços abertos e riso fácil para aquele café, trocamos muitas ternuras, falamos de muitas coisas até aquele momento.

Perguntou-me se eu conhecia o trabalho do João Pacífico, disse-lhe que muito pouco. Então seguimos para a sala, onde o seu cachorrinho sonhava o sonho bom dos cachorros e o Clerinho botou o CD que lhe fora presenteado por seu filho Clério que mora em São Paulo. Ouvíamos a fala mansa do João quando de repente, o Clerinho se levantou e ficou em frente ao toca CD, como que arrebatado pelos versos do compositor de Cordeirópolis. A cena foi linda.

O resto é história, mas antes que o boi durma queria dizer que fiquei feliz de ver a minha amiga Denise Gentil, e não tive como não me orgulhar da mãe da Alana, essa mulher que toca com competência a Livraria Infanto-juvenil Ciranda. E como sempre faço, não poderia deixar de passar no SETA, amo essa escola. Lá fui muito bem recebido pela Mira, Lígia e Lu.

Abaixo algumas fotos desses momentos em Londrina


Pela janela do ônibus, chegando em Londrina


Joelito, Luísa e a esposa Sheslaine



Élvio e Joelito: unha e carne


Clerinho: café no bule e o melhor dos sorrisos


Clerinho, esse mala e a querida Sofia


Sofia, Marquinhos e Clerinho, que luxo!


Clerinho, um homem abarcado pelas emoções


3 comentários:

Biblioteca Viva Itinerante disse...

Puxa vida!!!! eu fiquei sabendo no sabado que vc estava aqui e do aniver do joel ...... mas ja tinha um compromisso.... e depois a chuva no domingo..... nao foi desta ve, mas terei outras chances!!!!

PN disse...

Oi Dani, eu falei com Joel sobre você queria conhecê-la também. Ele me disse que você é casada com o Fernando a quem tive o prazer de conhecer no SETA. Diga a ele que tô mandando um abração.

saudações

Anônimo disse...

Olá querido Paulo Netho, poeta...poeta...e poeta...

Choveu tanto que ficamos até terça, o evento foi extremamente comemorado, bebemorado e etc

Um beijo grande na Aurea e nas meninas

Mil beijos

Ione e Toninho