28/11/2010

Sábado de sol


Ontem deu feira e eu me dei férias das chateações. Vesti-me na borracha de uma hawaiana preta que combinou bem com a bermuda verde e a camiseta branca. Com esses simples apetrechos me embrenhei no sábado azul. Adoro dias azuis, noites estreladas, gente de bem com a vida. Pertinho do meio dia, o Malatiel passou em casa. Fomos visitar a querida amiga Márcia Rocha; ela mora na rua da feira. Chegando lá, fomos direto à barraca de pastel. A Márcia passou batom básico que combinou com o esmalte vermelho das unhas e colocou os óculos escuros. A barraca de pastel fica ao lado de uma de caldo de cana. O seu Zé Carlos e a dona Darcy são os donos do caldo de cana; ontem, esse casal completou 30 anos de casamento. O seu Zé, todo orgulhoso, foi quem nos contou. Antes desse momento gastronômico, porém, encontramos outra amiga: a Cíntia Macedo. Lívio, o amor made in Italia da donzela, segurava a sacola da moça de Vila Yolanda enquanto exibia um riso oceânico de menino apaixonado. Mandei ver um poeminha "quem se alia vive aliado/ quem se isola vive isolado/ quem conhece o Lívio, que alívio!"  Cíntia e Lívio foram preparar o churrasco. A barraca de pastel é da dona Elza, a japa é um amor de pessoa, que astral! Márcia Rocha nos fotografou, também a fotografamos. (A Márcia tem um desejo: criar cabras) Você já comeu queijo de cabra? Mas voltando ao assunto: não tem coisa melhor do que pastel, caldo de cana e boas companhias no meio da feira. Feira livre é uma festa.  Ah, comemos pastel de carne porque o de palmito a dona Elza disse que tinha acabado de acabar. Pastel com alegria. Pastel de feira. Voltamos pra casa da Márcia, armamos a mesa de ping-pong. Venci a ambos, mas eles me disseram que foi covardia eu vencer um portador de esclerose múltipla e uma mulher que não tem os rins. Meus amigos, definitivamente, não sabem perder. O progresso transformou a casa da Márcia num local onírico isolado por casas de shows, estacionamentos 24 horas, oficinas mecânicas e barulhos de todos os lados. Mas para mim aquela casa é como se fosse um porto seguro no qual senti uma sensação de paz. Enquanto conversávamos, o Netinho que é o cão da Márcia se apresentou para um carinho. Ora comigo, ora com o Malatiel, ora com a Márcia. O Netinho deve saber - com a sua sabedoria canina- que ninguém pode ser feliz sem um carinho. Ficamos horas ali no colo benfazejo daquele instante. A Márcia nos falou um pouco mais da sua vida; a Márcia nos ensinou (sem querer ensinar) a sermos mais positivos. Abaixo algumas fotos desse sábado de sol:

uma foto diferente
Eu e o Mala cuidando do colesterol
Paulo Netho e Netinho

Márcia Rocha e Malatiel





...

7 comentários:

Marquesa disse...

Paulo,
Que prazer estar com vocês num momento tão básico....tão importante para o meu coração, para os feirantes e para o pelo do Netinho....Mas quero deixar claro que só porque o blog é seu, não tem o direito de mentir dizendo que ganhou no Ping-Pong...rs...Bjs

paulo netho disse...

De fato perdi uma, mas aquecimento não conta.

beijão

João Barboza disse...

Ê Paulo, blog bacana,hein? Sucesso.

joaobarboza disse...

Paulo Netho parabéns, cara de pavio é a sua cara.

paulo netho disse...

valeu, seu Jão!!!

Drausio disse...

O caldo de cana era com abacaxi?

paulo netho disse...

Caldo puro, compreende?
abração